Updates from Vinicius Massuchetto Toggle Comment Threads | Atalhos de teclado

  • Vinicius Massuchetto 11:56 on 1 September, 2014 Permalink |  

    Arte Bicicleta Mobilidade 2014 

    artbicimobi2014

    Venha participar da #ArtBiciMobi2014 que acontece todo mês de setembro em #Curitiba. Veja a programação completa: http://t.co/Kwxb8JFBYw

     
  • Vinicius Massuchetto 10:56 on 30 August, 2014 Permalink |  

    Saia de bici 

    image

     
  • Vinicius Massuchetto 12:15 on 23 August, 2014 Permalink |  

    Compartilhe a pista 

    Compartilhe a pista

     
  • Vinicius Massuchetto 18:12 on 16 August, 2014 Permalink |
    Tags:   

    Site da Bicicletada de cara nova! 

    Após alguma inatividade o site da Bicicletada Curitiba retorna no endereço http://curitiba.bicicletada.org.

    Queremos um meio de divulgação da bicicleta muito mais orgânico e participativo, que viabilize a expressão de todos e divulgue as atividades voltadas à bicicleta em Curitiba. Assim, nesta nova proposta qualquer pessoa pode fazer um cadastro e enviar conteúdo através de uma timeline pública.

    Não definimos nenhuma política editorial, colocamos somente um aviso aí do lado dizendo que este é um espaço para discutir as políticas de mobilidade. Um grupo de aprovadores ficará de olho para orientar as publicações e esperamos que a comunidade se regule para o resto dos casos.

    É possível também assinar as notificações de publicações e receber via e-mail quando novos posts são feitos no site.

    Este formato é chamado de P2. Ele funciona muito bem para demais processos colaborativos, tal como o desenvolvimento de software livre. Esperamos que esta experimentação seja proveitosa para a Bicicletada.

    A propósito, se alguém quiser fazer uma imagem de topo melhor, os materiais estão aqui.

     
  • Vinicius Massuchetto 11:15 on 22 July, 2013 Permalink |  

    Bicicletada de Inverno 

     
  • Vinicius Massuchetto 22:56 on 5 June, 2013 Permalink |
    Tags:   

    Transformar este site em um P2? 

    Para os que não sabem, utilizamos o WordPress com o BuddyPress neste site. Assim, temos duas principais estruturas:

    • Os posts da capa limitados a uma meia dúzia de pessoas, sendo que recentemente só a Fabs tem postado coisas;
    • Os fóruns, que viraram classificados.

    Uma alternativa interessante que o WordPress nos proporciona neste sentido é o P2, um tema colaborativo voltado para discussões, em que qualquer pessoa poderá subir fotos, vídeos e comentários. De modo genérico, estaríamos transformando este site em uma timeline pública. Uma experiência interessante de utilização do P2 é a recente migração da lista de e-mails da comunidade WordPress-BR para o participe.wp-brasil.org. Confiram para ver como a ferramenta funciona!

    Isto nos traria algumas implicações:

    • Fechar os fóruns e deixá-los disponíveis estaticamente;
    • Aumentar o número de moderadores voluntários;
    • Um pouquinho de desenvolvimento;
    • Um pouquinho de design pra fazer um cabeçalho.

    Um outro tratamento que ainda não tenho muita certeza de como pode funcionar é a relação com a página do Facebook e o Twitter da Bicicletada. De qualquer forma, eu acho que a alimentação das redes sociais de vir sempre deste site, e não de usuários espalhados (como é hoje).

    O que vocês acham de tudo isso?

     
    • Adriano 16:51 on 11 Junho, 2013 Permalink | Inicie a sessão para responder

      A idéia é interessante, o problema do “abandono” do site, forum, etc, não é só aqui, a cada dia as pessoas estão mais dependentes das redes sociais (não vejo isso com bons olhos), só vêem e clicam no que as outras pessoas compartilham, então uma integração é a mais que necessária, mas é bom que tenha algum local onde as postagens, mensagens fiquem “fixadas”, visto a volatividade das redes sociais.

    • Fabianne Balvedi 22:32 on 19 Junho, 2013 Permalink | Inicie a sessão para responder

      eu acho que é bem por aí, e demorou pra fazer a conexão dos posts daqui para facebook, twitter, G+, friendi.ca, etc. O que se publica aqui raramente é atualizado em outros locais e vice-versa, até parecem grupos de pessoas totalmente nada a ver uns com os outros, super esquisita essa relação que se criou entre o site e as mídias sociais.

  • Vinicius Massuchetto 12:23 on 5 June, 2013 Permalink |
    Tags: ,   

    Cartaz de BO Coletivo 

    Esta é uma versão para bicicletas de cartaz do B.O. Coletivo.

    Clique aqui para baixar o PDF

     

     
    • Lulufalks 16:06 on 6 Junho, 2013 Permalink | Inicie a sessão para responder

      O meu já está impresso.
      Vou colar bem no portão da minha casa.
      O cara entrou pelo portão da frente e levou minha bici reformadinha e linda.
      Fiquei 3 semanas com a bicicleta. Mas tudo bem. Já estou providenciando outra.

  • Vinicius Massuchetto 10:42 on 28 January, 2013 Permalink |  

    O uso da bicicleta nas grandes cidades 

     
    • Matheus M. P. 14:50 on 7 Fevereiro, 2013 Permalink | Inicie a sessão para responder

      É muitissimo relativo o ranking das cidades que mais usam bicicletas…
      Por exemplo, com certeza todas as cidades Holandesas, Dinamarquesas, boa parte das Alemãs, estariam a frente do RJ, Isso sem contar as cidades chinesas.
      Ainda existem outras cidades no Brasil mesmo em que se usa muito mais as bicicletas. Esses dias vi uma reportagem de uma cidade no MS, em que 80% da população usa bicicleta. Li também sobre uma no AM em que não existem carros, só bikes.

      Ainda no Brasil existem exemplos de cidades que já visitei em que com certeza usa-se mais a bicicleta que o RJ, como por exemplo Lorena-SP, Sorocaba-SP, Joinville-SC, Rio Grande-RS.

    • Eduardo T. P. 18:39 on 8 Fevereiro, 2013 Permalink | Inicie a sessão para responder

      Curitiba teve uma extensão de 118km de ciclovias?
      Pra qual lado da cidade? Aqui para os lados aonde eu moro continuam as mesmas ciclovias compartilhadas, estreitas em algumas partes e em má estado de conservação.

      Gostei da conta do uso diário casa-trabalho-casa…
      Essa semana encarei sol e chuva, mas vim com a magrela todos os dias!

      Abraços!!

    • marcelo_m 22:00 on 28 Fevereiro, 2013 Permalink | Inicie a sessão para responder

      Não existem ciclovias compartilhadas. Isso esta sendo um erro muito comum de se falar. O que existem são passeios ou calçadas compartilhadas.
      Ciclovia compartilhada seria o contrário, uma ciclovia pré-existente que foi aberta a circulação de pedestres.
      Dito isso. O número de ciclovias de Curitiba tem que excluir toda e qualquer calçada compartilhada.
      Alguem tem como ver isso e deixar oficial? Pois do jeito que tá não dá. Calçada compartilhada é ruim para todos. Só é bom para “números” da prefeitura.

    • criação de sites - MGF Arte 12:19 on 7 Março, 2013 Permalink | Inicie a sessão para responder

      Bem detalhado e legal o infográfico.

  • Vinicius Massuchetto 15:34 on 22 October, 2012 Permalink |
    Tags: ,   

    Quer Andar de Bicicleta em Curitiba? Conheça Alguns Grupos de Pedalada! 

    Segunda-feira

    • Bike Speed Curitiba – Concentração: 20h00, Saída: 20h30 da Praça o Japão. Comando: Burg Jr. e amigos. Sem apoio. Percurso a ser definido na hora ou divulgado com antecedência pelo Burg. Cerca de 30 km em asfalto pela cidade.

    Terça-feira

    • Pedala Curitiba – Saída 20h15, da Praça Garibaldi. Organização Prefeitura Municipal de Curitiba (SMEL), com apoio da Setran e Guarda Municipal. Batedores, carro de apoio. Percurso de 15 a 17km, com grau de dificuldade baixa a média.
    • Pedal da Escadaria – Saída 20h30 das escadarias da Universidade Federal, na Praça Santos Andrade. Grupo pequeno, pedal para experientes, rítimo forte. Percurso longo de 30 a 50km, com grande grau de dificuldade (Hoje comandado pelo “Cap. Nascimento” com apoiodos amigos)
    • Pedal das Barbies (e dos Kens também) – Saída 20h30 de frente ao Módulo Policial do Passeio Público, na rua Carlos Cavalcanti. Percursos variados, estilo Pedal Noturno (confirmação dos passeios com a comandante Sofia neste grupo). Apoio dos amigos.

    Quarta-feira

    • Peal Noturno Curitiba – Concentração à partir das 20h00. Saída: 20h30. Retorno: 22h00/22h30 Local: Prefeitura Municipal de Curitiba, no Centro Cívico. Percurso: Bairros diferentes da cidade a cada passeio, por ruas pavimentadas. Extensão: De 20 a 30km, dependendo da altimetria. Comando de Sergio Riekes e amigos.
    • Bike Tour – Saída 20h00 da Praça Espanha. Percursos variando entre 20 e 25 km, e anunciados no Grupo do Facebook Pedal Curitiba Livre (Aberto a todos com indicação de diversos pedais, inclusive diurnos).

    Quinta-feira

     

    • Original Bike Night – Criação do amigo Roberto Coelho (que hoje mora em São Paulo). Tradição que se mantém. Saída 20h30 da Praça Garibaldi. Passeio igual ao Pedal Noturno das quartas-feiras. Conduzido por Sergio Riekes, Elidio Werka e amigos.

    Sábado

    • Bicicletada Curitiba – Último sábado de cada mês. Saída às 10h da manhã da Reitoria da UFPR. Não se trata de um passeio ciclístico, mas sim de uma celebração da mobilidade em Curitiba, e de uma cobrança por uma melhor infra-estrutura cicloviária.

    Fonte: Pedal Noturno Curitiba, via Bicicletaria Cultural.

     
    • Adri 11:58 on 7 Dezembro, 2012 Permalink | Inicie a sessão para responder

      Bom dia, estava vendo o site e achei bem interessante, estou sem carro a 2 semanas e venho sentindo vontade de deixar o carro e o ônibus de lado mesmo e começar a fazer o trajeto de bicicleta, o problema é que meu marido assim como todos da família são contra, devido ao trecho que teria que ir pela br 116 em alguns momentos, minha casa fica no atuba-pinhais e trabalho prox. ao terminal cabral (cerca de 10km), a principal argumentação deles é a falta de ciclovias, você conhece algum caminho que tenha ciclovia e ligue esses dois pontos

  • Vinicius Massuchetto 19:49 on 6 October, 2012 Permalink |
    Tags:   

    Candidatos que Aderiram às Propostas da CicloIguaçu 

    Desde o ano passado a CicloIguaçu tem procurado os candidatos a prefeito com o intuito de firmar um compromisso com a ciclomobilidade. Fizemos entrevistas, encontros e afirmamos a necessidade de um tratamento sério a este importante tema nas eleições de 2012. Entrevistamos Gustavo Fruet, Rafael Greca, Bruno Meirinho e Ratinho Junior. O prefeito Luciano Ducci não respondeu nosso pedido de encontro no ano passado e nem agora durante as eleições.

    Nos últimos dois meses realizamos a entrega presencial do documento aos candidatos, com o convite de irmos às ruas, pedalando se possível, e observarmos juntos a precariedade e a falta de estrutura as quais os ciclistas estão submetidos. Curitiba, com sua motorização elevada, parece deixar alguns orgulhosos dos engarrafamentos, do barulho onipresente e do ar poluído; outros, nostálgicos e revoltados, com a falta de diálogo com que ações de grande impacto são realizadas de forma autoritária e tecnocrática. A destruição de praças no Mercês, no Cristo Rei e no Alto da Glória servem todas ao mesmo objetivo – a fluidez do trânsito dos automóveis. A descaracterização da cidade acontece em alta velocidade. Monstruosos painéis luminosos são inseridos sem consulta prévia com os moradores, transformando a estética residencial com figurino de corrida automobilística. Não é de se espantar que o governador, que ainda se considera prefeito da cidade, já manifestou diversas vezes a intenção de fazer corridas de automóveis na malha viária urbana. Não deveria o urbanismo ouvir os cidadãos, bem como levar em consideração todos os dados assombrosos da violência e mortandade de nosso violento trânsito?

    É sem dúvida uma coisa boa podermos comprar carros, geladeiras, computadores e tudo o mais que julgamos essencial. Mas, ficar preso em congestionamentos não é legal. Respirar um ar carregado tampouco. Queremos um transporte público mais barato e mais eficiente, que se beneficie igualmente das isenções tarifárias e subsídios múltiplos dos quais a indústria automobilística se farta, esfregando todos os meses em nossa cara seus novos e espantosos recordes de vendas. Queremos uma cidade mais limpa em todos os sentidos.
    A perversão maior é que muita gente deixa de optar pela bicicleta para os trajetos curtos e se vê refém do automóvel e seu monopólio radical. As ruas estão sendo asfaltadas para o fluxo dos carros, não das pessoas. Se assim fosse teríamos ‘ondas verdes’ e mais espaços exclusivos para o transporte coletivo. Teríamos uma rede de ciclovias, ciclofaixas e ciclorrotas conectando todo o centro da cidade, os centrinhos dos bairros e uma integração muito bem feita com a rede de ônibus. Teríamos conexão com a região metropolitana, segura e àgil. Teríamos também garantido o acesso às escolas com ciclovias e ciclofaixas.

    No momento atual as bicicletas da Guarda Municipal saíram da garagem em maior número por causa das eleições. A ciclopatrulha da Setran, iniciativa importante, continua tímida e retraída. A própria Secretária de Trânsito não se empenha em fiscalizar as leis do CTB referentes à circulação de bicicletas. A manutenção da sinalização do que existe de ciclovia em Curitiba, que é por dever contratual, obrigação da Clear Channel, empresa que explora a publicidade no mobiliário urbano, permaneceu durante anos abandonada e depredada. Agora, no mês das eleições, aparece nova e garbosa.

    Cabe a atual administração o ônus e as críticas, embasadas na experiência cotidiana de todo cidadão que escolhe se locomover de bicicleta por Curitiba. O Concitiba, no ano passado, depois de reuniões e estudos por mais de 4 meses, concluiu que o que o IPPUC chama de Plano Diretor Cicloviário é um rascunho bastante insuficiente. Não é um plano, não tem metas e carece de fundamentação teórica.

    E o que a bicicleta pode trazer a nossa cidade?

    A bicicleta representa um novo paradigma urbano. Intensifica e estimula o convívio. Traz o sentimento de pertencimento à comunidade. Traz saúde e bem estar ao seu usuário. Traz economia financeira. É liberdade de trajetos e destinos. É autonomia. Te liberta dos congestionamentos.

    Esperamos que a assinatura seja um compromisso integral com as reivindicações daAssociação de Ciclistas do Alto Iguaçu, e que, acima de tudo, tenhamos uma gestão participativa, que escute os anseios da sociedade, que priorize o transporte coletivo e as opções de transporte individual não-poluentes.

    Seja quem for o próximo prefeito, estaremos em cima. Vamos cobrar e fiscalizar os compromissos assumidos.

    A cidade é das pessoas!

    Goura Nataraj
    Coordenador Geral da CicloIguaçu

    Os 10 pontos para tornar Curitiba uma cidade amiga da bicicleta

    1. Educar para o respeito no trânsito
    2. Reduzir acidentes e mortes de ciclistas
    3. Criar o Departamento de Transporte Não- Motorizado
    4. Assegurar orçamento específico e progressivo
    5. Ciclofaixas nas Estruturais (junto as canaletas)
    6. Integração com o transporte coletivo
    7. Distribuir paraciclos por toda a cidade
    8. Espaços viários acalmados
    9. Planejamento integrado da região metropolitana
    10. Fiscalizar efetivamente o comportamento no trânsito

    Quem aderiu?

     
c
Compose new post
j
Next post/Next comment
k
Previous post/Previous comment
r
Responder
e
Editar
o
Show/Hide comments
t
Go to top
l
Go to login
h
Show/Hide help
shift + esc
Cancelar
%d bloggers like this: