Fica, Beto!!

Na Gazeta do Povo

Ciclistas cobram políticas públicas que garantam mobilidade em Curitiba

Prefeito se comprometeu a receber o grupo. Para ciclistas, deve haver um incentivo direto para que as bicicletas sejam adotadas como transporte alternativo

10/03/2010 | 19:35 | Felippe Aníbal

O prefeito Beto Richa (PSDB) foi abordado, na manhã desta quarta-feira (10), por um grupo de ciclistas que cobram ações práticas da Prefeitura no sentido de garantir a ciclomobilidade no município. Os manifestantes conversaram com o prefeito, quando ele chegava à Conferência Internacional das Cidades Inovadoras (CICI2010), promovida com o objetivo de apresentar alternativas para a implantação de realidades urbanas sustentáveis.

“Consideramos um sarcasmo e uma demagogia o fato de Curitiba sediar um evento como este e ao mesmo tempo não haver avanços práticos na questão de mobilidade por bicicletas. Não há sequer um incentivo”, disse Goura Nataraj, que participou do protesto.

Apesar do número restrito de manifestantes (cerca de 15), Richa se comprometeu a receber o grupo ainda em março, antes de ele se desligar do cargo. Os ciclistas reivindicam que o uso das bicicletas como transporte alternativo entre definitivamente na pauta de discussões do poder público. Para os manifestantes, a Prefeitura precisa definir uma política que incentive e permita o uso de bicicletas no cotidiano das pessoas. As iniciativas incluiriam educação e adequações na infraestrutura, como instalação de paraciclos (estrutura onde se pode prender as bicicletas) nos pontos de maior movimento, sinalização específica para ciclistas nas ruas, além da recuperação e ampliação da malha cicloviária.

“Em uma cidade com tantos carros e com transporte coletivo tão caro é uma incoerência não usarmos as bicicletas como alternativa, até porque já existem condições favoráveis para isso”, disse Nataraj.

Apesar da reunião agendada com o prefeito, os ciclistas não acreditam que haja grandes avanços a curto prazo. Segundo eles, em Curitiba ocorre a chamada “lavagem verde”, em que se incorpora um discurso ambientalista, ao mesmo tempo em que iniciativas práticas não são adotadas. Como exemplo, os ciclistas mencionam o veto a R$ 4 milhões que seriam destinados pelo Orçamento a ampliação e melhorias nas ciclovias. “Há muita politicagem, muito discurso e pouca prática”, avaliou Nataraj.

A maioria dos participantes da manifestação integra as chamadas Bicicletadas, movimento que acontece no último sábado de cada mês, quando os ciclistas saem pelas ruas chamando a atenção da população para o uso de bicicletas como alternativa ao transporte.

//

Anúncios