Sobre a política de bicicletas em Curitiba

um_carro_a_menos_jardim_gira

Hoje, dia 18 de junho, a prefeitura anunciou um novo pacote de medidas para ‘melhorar o trânsito’. Mais uma vez ficou explícita a falta de importância que a bicicleta tem para as nossas autoridades. Não são capazes de entender os benefícios de uma cidade mais limpa, silenciosa, com um ar mais puro. Privilegiam descaradamente o meio de transporte mais irracional, injusto e perigoso. ´Carros são acidentes esperando para acontecer´.

As visões técnicas e realmente bem intencionadas do presidente do IPPUC são direcionadas ao fluxo dos carros. Este não pode parar de jeito nenhum. ´Teremos mais binários, trinários! Mais ruas barulhentas e degradadas!´ Cidades do mundo inteiro estão despertando para a bicicleta enquanto Curitiba permanece no seu sonâmbulismo crônico, em que o carro e a cultura dos ´centros de compra´ são exaltados como a salvação da civilização.

Enquanto os motoristas recebem vários estímulos positivos, tais como isenção de impostos, ruas lisas, espaços para correrem cada vez mais, os usuários de ônibus tem que pagar uma pequena fortuna pelo privilégio de serem esprimidos, talvez até cuspidos para fora da máquina em movimento. Ah, mas isto ouvindo música clássica, com dignidade!
Os pedestres também não são ´cuidados´ com a mesma dedicação, o mesmo amor com que os empreiteiros e construtores de viadutos mostram para com os carros. E os ciclistas, por sua vez, são empurrados para o meio fio!

Para realmente melhorar o trânsito precisamos entender que as ruas são limitadas. Que uma cidade cortada pelo trânsito veloz, onde deputados voam a 190km/h, em que ciclofaixas só aparecem na retórica das campanhas políticas, onde as ciclovias existentes ou são calçacas asfaltadas cheias de obstáculos, ou tem sua manutenção completamente ignorada, não deve ser considerada, de forma alguma, uma cidade sustentável.

Se você não conhece as ´maravilhosas ciclovias´ de Curitiba aproveite para ver o ensaio do artista Bruno Machado – http://artebicicletamobilidade.wordpress.com/2009/06/04/604/
Se as vias dos carros fossem tratadas com tamanho descaso a prefeitura tomaria ações imediatamente. Os motoristas fariam buzinaços, saíriam em carretas. Não pagariam mais os seus impostos.

Os ciclistas podem ser silenciosos em seus conflitos diários com a falta de respeito e segurança que recebem dos motoristas, mas estão bem acordados para o que está acontecendo.

A primeira ciclofaixa oficial da cidade deveria se manifestar na Av. Cândido de Abreu e ocupar uma das 11 faixas destinadas ao trânsito dos veículos motorizados. Paraciclos deveriam aparecer pela cidade inteira. Toda malha cicloviárea existente passar por uma revitalização completa.

Era este tipo de medida que deveria ser anunciada como proposta de melhoria do trânsito, da qualidade de vida, da saúde social.

Já disseram os Situacionistas em 1959:

“Não se trata de combater o automóvel como um mal. Sua exagerada concentração nas cidades é que leva à negação de sua função. É claro que o urbanismo não deve ignorar o automóvel, mas menos ainda aceitá-lo como tema central. Deve trabalhar para o seu enfraquecimento. Em todo caso, pode-se prever sua proibição dentro de certos conjuntos novos assim como em algumas cidades antigas.”

Goura Nataraj

________________________________________________________________
Matéria da Gazeta:

Curitiba deve receber pacote de medidas para melhorar o trânsito

Entre as principais ações estão implantação de novos binários, proibições de estacionamento e conversões, mudanças de sentido e pavimentação de ruas

17/06/2009 | 17:46 | Luís Celso Jr.

Curitiba deve receber uma série de medidas e obras que visam melhorar o trânsito da cidade. Entre as principais ações do pacote estão a implantação de quatro novos binários, proibições de estacionamento e conversões, mudanças de sentido e pavimentação de ruas. As modificações foram aprovadas pelo prefeito Beto Richa na terça-feira (16), em reunião com secretários municipais de várias áreas envolvidas.

A meta é concluir a primeira etapa do pacote até setembro, afirma Cléver Almeida, presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitba (IPPUC). “As medidas aprovadas são de curto prazo. Essas são para setembro deste ano. Mas também estamos discutindo medidas de médio e longo prazo, que são mais complexas”, explica. “Ao mexer com o trânsito, nada basta. É um evolução das coisas. Tratamos disso diariamente com uma série de medidas. Essa foram mais algumas”, completa.

Conheça principais medidas que devem ser adotadas

Proibições de estacionamento nos dias úteis, das 7h às 20h, e aos sábados, das 7h às 14h nas seguintes vias: – Vias rápidas (sistema trinário) – Pista da esquerda da Av. Silva Jardim entre R. Cel Dulcídio e R. João Negrão – Av Visconde de Guarapuava entre R. Bento Viana e Carneiro Lobo e R. Angelo Sampaio e R. Carneiro Lobo – R. Brigadeiro Franco entre R. Getúlio Vargas e R. Carlos de Carvalho – R. Des. Motta entre Dr. Pedrosa e Av. Silva Jardim – R. Cel. Dulcídio entre R. Com. Araujo e Av. Silva Jardim – R. Angelo Sampaio entre R. Carlos de Carvalho e Av. do Batel – R. João Manoel entre R. 13 de Maio e Cemitério Municipal – R. Carlos de Carvalho entre R. Francisco Rocha e R. Visc. de Nacar – R. Vicente Machado entre R. Francisco Rocha e R. Visc. de Nacar

Proibições de conversões à esquerda nas seguintes vias:

  • Vias lentas das canaletas – R. Pe. Germano Mayer (R. Prof. Brandão, R. Fernando Amaro , R. XV de Novembro, R. Mal. Deodoro) – R. Mateus Leme (R. Roberto Barrozo) – R. Nilo Peçanha (R. Carlos Pioli) – R. Cândido de Abreu (Lysimaco F. da Costa) – Av. Sete de Setembro /Av. Mariano Torres

Alterações de sentido:

  • R. Alvaro Jorge ( entre R. Guararapes e R. Guilherme Pugsley) – mão única – R. Des.Otávio Amaral (entre R. Pe. Anchieta e R.S. Marinho) – mão única – Largo Helena de Souza – (Rótula em volta da Praça) – Frei Caneca (entre André Barros e Visc. Guarapuava) – inversão de sentido

Implantação de novos binários:

  • Belo Horizonte (entre Sete de Setembro-Bispo D. José) – R. Lindolfo Pessoa (entre Gonçalves Dias – Sete de Setembro) – Av. dos Estados (entre Água Verde-Francisco Frischmann) – R. Amazonas (entre Francisco Frischmann-Água Verde) – Av. Manoel Ribas (entre Visc. do Rio Branco-Jacarezinho) – R. Júlia Wanderlei (entre Pres. Taunay-Visc do Rio Branco) – R. João Bettega (entre R. João Tobias P. Rebello-Alberto Klentz) – R. Luiz Parigot Souza (entre R. Alberto Klentz – R João Tobias P. Rebello)

Pavimentação nas seguintes vias:

  • Vicente Machado – recape / sinalização entre a Francisco Rocha e a Presidente Taunay. – Silva Jardim – recape/sinalização entre a Cel. Dulcídio e João Negrão – Carmelitas

Implantação de novas áreas de EstaR (Estacionamento Regulamentado) nas seguintes vias:

  • R. Vicente Machado / Al. Augusto Stellfeld / R. Carlos de Carvalho (até R. Bruno Figueira) – R. Dr. Kellers e R. Clotário Portugal

Fonte: site da Prefeitura Municipal de Curitiba.

Apesar de estarem programadas para vários pontos da capital paranaense, a maior parte das ações deve se concentrar na região central da cidade, que concentra maior fluxo de veículos. Entre elas, quatro novos binários devem ser implantados, e vão envolver, entre outras vias, a Avenida Sete de Setembro, Rua Bispo Dom José, Avenida Água Verde, Rua Visconde do Rio Branco, Rua Jacarezinho e Rua Presidente Taunay.

Entre as ruas que devem ter estacionamento proibido estão a Avenida Visconde de Guarapuava, entre as ruas Bento Viana e Carneiro Lobo em uma das pistas e entre Angelo Sampaio e Carneiro Lobo na outra. Também será proibido o estacionamento na Rua Brigadeiro Franco, entre a Getúlio Vargas e a Carlos de Carvalho, Rua Desembargador Motta entre Doutor Pedrosa e Avenida Silva Jardim, entre outras. A proibição deve valer para os dias úteis, das 7h às 20h, e os sábados, das 7h às 14h.

Segundo o presidente do Ippuc, a proibição dos estacionamento nessas áreas não deve gerar problemas com o comércio. “A probibição do estacionamento é uma medida para aumentar a faixa de trafego e contribuir para fluidez do trânsito. Não há o conhecimento de uma problemática mais ampla em relação ao comérico. As áreas comerciais não podem depender do estacionamento público”, explica.

Entre as medidas que estão sendo estudas para implantação posterior também está a ampliação de algumas áreas de Estacionamento Regulamentado (EstaR). “O EstaR amplia a rotatividade do estacionamento. Com isso mais carros podem usar o mesmo espaço”, diz Cléver.

Outras medidas que devem ser implantadas melhorias de sinalização, principalmente nas escolas e para pedestres, campanhas de educação no trânsito voltadas ao respeito à faixa de pedestres e a implantação da primeira fase do Centro de Controle Operacional, que deve permitir monitoramento do trânsito em tempo real. “A primeira fase é a criação do ambiente, da central que vai receber informações. Ela vai canalizar as imagens das câmeras de trânsito e outras para que possamos tomar medidas operacionais”, explica Cléver.

Ainda segundo o presidente do Ippuc, alguns equipamentos já estão instalados nas ruas da cidade. “A central vai indicar onde há um problema no trânsito, seja um semáforo desligado ou um acidente, para que possamos tomar medidas mais rapidamente”, explica.

ciclistas1610_2

Ciclofaixa Já!!

Anúncios