Ruas são salas de estar ou estacionamentos ?

Dentre os muitos males gerados pela cultura do automóvel está a desintegração do tecido urbano.

Qualquer grande cidade está familiarizada com vias rápidas e congestionadas. Essa é uma das formas mais eficientes de espantar pessoas e destruir o convívio social. Afinal, quem quer conviver no meio da fumaça, do barulho e do perigo de acidentes.

Para tentar contornar esses problemas, as pessoas optam basicamente por duas saídas:
1) Morar bem longe num lugar mais saudável
2) Evitar a rua a todo custo (do condomínio fechado para o carro e daí para o shopping ou escritório).

É de se imaginar que uma prática tão onerosa, não deveria ser comum nas cidades. No entanto, apesar de carregar somente 20,5% das pessoas, os carros ocupam 58,3% do espaço viário. E em alguns bairros inteiros de Curitiba, mais de 50% de todo o solo é dedicado ao carro (estacionamentos, garagens, postos de gasolina, locadoras, revendas, oficinas, lojas de auto-peças, borracharias, auto-escolas …).

Gerando mais um problema. Distância. Com tanto espaço subutilizado. Os serviços e produtos são cada vez mais inacessíveis para pessoas que se deslocam a pé, usam transporte coletivo ou bicicleta.

Isso tudo de acordo com a lei !!
Você acha que as ruas são públicas? O Código nacional de trânsito determina a quem pertence cada espaço. E apenas os veículos têm direitos as ruas. Os pedestres devem se ater ao espaço reduzido das calçadas.

Reclaim the streets …

Anúncios