Em BH já tem gente acordando

 
 
Apesar (…) de representar apenas 10% da frota, os ônibus são responsáveis pelo deslocamento de 40% da população, ao passo que 80% do contingente automotivo é formado por carros, que deslocam 24,5% de pessoas, de acordo com dados extraídos de pesquisa da Fundação João Pinheiro, órgão de pesquisa aplicada do governo de Minas. Em vista desses números, Marcelo Cintra revela ter a BHTrans elaborado um plano denominado “Mobilidade Urbana”, que pretende mudar a concepção das pessoas em relação à utilização do automóvel e que deverá ser totalmente implantado até 2020. Na ótica do coordenador, a ênfase dada ao automóvel é assimétrica. “É injusto ter o dinheiro público utilizado para privilegiar o uso do automóvel em detrimento do transporte coletivo, temos de reverter essa lógica. É só você ver nos principais corredores de trânsito da cidade a delimitação destinada aos ônibus e a dos carros. Geralmente, são três faixas para carros e somente uma para ônibus”, explanou.
 
De acordo com Cintra, o plano da BHTrans é conscientizar os motoristas de carros a pensar no dano que a utilização solitária do automóvel provoca na qualidade de vida dos outros moradores.
“As pessoas têm de encarar o problema [de trânsito] como sendo de todos. Elas devem pesar o custo social da utilização do carro.  Já não é mais concebível um modelo no qual todos se individualizam e colocam a culpa nos gestores públicos”, salientou.

 

Enquanto isso, em Curitiba…

 

Notícia completa no UOL

Anúncios